Reclames

1.

vende-se
uma preta
muito moça com cria
sabendo lavar perfeitamente
e bem desembaraçada para
o serviço doméstico
é muito sadia
e o motivo da venda
é não querer servir mais
a seus antigos senhores

 

2.

vende-se
uma mulata
de 38 anos
com um filho
de 3 anos
de cor clara e
compra-se
uma negrinha
de 10 a 12 anos

 

3.

vende-se
uma família de escravos
ponha um escravo a trabalhar por você
temos uma família completa
o caminhão, a pick-up e a veraneio
essa família de escravos
é forte e resistente
em economia
nem sem fala
você só paga a manutenção
de seu escravo
isto é, gasolina e óleo
se ele reclamar alguma coisa
leva-o imediatamente à
assistência técnica
que dá logo um jeito nele
rapidamente ele volta a trabalhar
de graça pra você
atendemos diariamente
até 20 horas
sábados
até 17 horas
e inclusive
aos domingos
até 13 horas

 

4.

casal evangélico
precisa adotar
uma menina
de 12 a 18 anos
para cuidar de um bebê
de 1 ano
que possa morar
e estudar
ele empresário
ela também empresária
apresentar-se com
os pais ou responsáveis

 

5.

contratamos
trabalhador rural
carteira assinada
para receber salário
ou
remuneração de qualquer espécie


Torpor, O Cheiro dos cuscos nas bombachas, A caixa

TORPOR

Eu não queria ouvir o que ela tinha para falar. Como num transe, eu apenas via o mexer dos lábios murchos da velha, sua dentadura frouxa, e o bailar de sua língua saburrosa. Tudo sem som. Eu não escutava nadica de nada. O buço da velha lhe sombreava o lábio, e se misturava com os pelos que lhe saíam pelas ventas. Vez em quando algum perdigoto da bruaca me atingia o rosto. Eu permanecia imóvel. Eu não queria ouvir nada. Nadica de nada. No pátio um dos piás chutou a pelota, que entrou pela porta da cozinha, bateu no pé do fogão a lenha, depois no pé da mesa, espantou o gato que passava preguiçoso, veio girando, girando, girando, até que esbarrou em mim, me tirando do torpor. Lá fora começava um chuvisqueiro finíssimo, parecido com neve. E eu que não queria ouvir o que ela tinha para falar escutei a última frase do falatório da velha espanhola: O velho está morto.


O CHEIRO DOS CUSCOS NAS BOMBACHAS

Enquanto todos brincavam de campinhos, e de ser Batista, Zico, Sócrates, Cerezo, De León ou Falcão, eu preferia ficar com a cuscada. Eu queria ser ninguém. Me perder entre os guaipecas vadios e pronto. E só.

Eu abraçava os cuscos e sentia o coraçãozinho lá deles batendo junto ao meu.

Depois os gritos cessavam. Paravam os chutes. O futebol acabava. Os guris iam embora, cada um para sua casa, levando lembranças de dribles, defesas e gols lá deles… E os vira-latas também se iam, seguiam seu rumo.

Eu, a caminho do rancho, levava nada. Só o cheiro dos cuscos nas bombachas.


A CAIXA

 Ele chegou faceiro, depositou a caixa sobre a mesa e chamou toda a família para que víssemos o que havia conseguido no centro da cidade, na saída do trabalho. Foi uma pechincha, disse. Falou que se tratava de um animalzinho frágil, que faria muito bem a todos. Disse que o bichinho comia pouco, e se chamava Paz. Pediu para que todos se aproximassem. Disse que abriria a caixa. O guri menor arregalou bem os olhos e abraçou a perna do velho. Quando o pai abriu a caixa o bicho voou, e desapareceu por um vão da cumeeira. Mal tivemos tempo de ver a cor do animal. A Paz, tão desejada pelo velho, foi embora de nossa casa, e ainda cagou sobre nossas cabeças. O pai nunca mais foi o mesmo.


Sala De Espera

Quando é que os dias se tornaram numa sala de espera bafienta, escura,
Com mobília dos anos 70, onde zumbe já faminto o caruncho dos ossos,
Esperando que a porta se lhes abra e seja chamado o nome
À consulta kármica, para se receber um frasquinho com meia dúzia de dias felizes,
Depois deste volte cá e espere, a porta da rua está sempre aberta,
E lá fora ninguém, nada, a saída definitiva para um dia infinito e vazio,
Quando é que todas as revistas se tornaram sobre vidas desinteressantes,
Como espelhos ou então exemplos de todos os fracassos que se acumularam
Em nome de te tornares no que hoje és, algo afundado num sofá
Com as mãos sobre os joelhos, procurando encontrar em que linha te despistaste,
Como quem perdido num dia de chuva, procura encontrar o caminho
De volta, com um mapa ao contrário de uma outra cidade,
Quando é que surgiu esta vontade de saltar por cima de bocados enormes de vida,
Estações inteiras, companhias decentes, a fruta quase toda para o lixo
Na esperança de uma gota destilada de um Sol que se sinta tocar
Algo que enterramos há muito, bem fundo, só porque não se sabia, como nada se sabe
E por cima de toda a ignorância, erguemos este castelo de certezas e esperamos.

Turku

Charles Bukowski, «Oh sim», «A genialidade da multidão»

Tradução de João Coles

Oh sim

há coisas piores do que
estar sozinho
mas normalmente levamos décadas
a darmo-nos conta disso
e na maioria das vezes
quando nos damos conta
é tarde de mais
e não há nada pior
do que
tarde de mais.

De Love is a Dog From Hell


Oh yes

there are worse things than
being alone
but it often takes decades
to realize this
and most often
when you do
it's too late
and there's nothing worse
than
too late.


A genialidade da multidão

 

há perfídia, ódio, violência e absurdidade suficientes no ser humano
médio para fornecer qualquer exército em qualquer dia

e os melhores em assassinatos são os que lhe pregam contra
e os melhores no ódio são os que pregam o amor
e os melhores na guerra finalmente são os que pregam a paz

aqueles que pregam deus precisam de deus
aqueles que pregam pela paz não têm paz
aqueles que pregam pela paz não têm amor

cuidado com os pregadores
cuidado com os sabichões
cuidado com aqueles que estão sempre a ler livros
cuidado com aqueles que ou detestam a pobreza
ou têm orgulho nela
cuidado com aqueles de fáceis louvores
pois precisam do louvor de volta
cuidado com aqueles de rápida censura
têm medo daquilo que desconhecem
cuidado com aqueles que procuram sempre a multidão
não são nada sozinhos
cuidado com o homem banal, com a mulher banal
cuidado com o seu amor, o seu amor é banal
procura a banalidade

mas há genialidade no seu ódio
há genialidade suficiente no seu ódio para te matar
para matar qualquer pessoa
não querendo a solidão
não entendendo a solidão
eles tentarão destruir qualquer coisa
que seja diferente da sua
não sendo capaz de criar arte
eles não entenderão a arte
vão encarar o seu fracasso enquanto criadores
como um mero fracasso do mundo
não sendo capazes de amar plenamente
vão julgar o teu amor incompleto
e depois odiar-te-ão
e depois o seu ódio será perfeito

como um diamante reluzente
como uma faca
como uma montanha
como um tigre
como cicuta

a sua mais refinada arte

De The Roominghouse Madrigals: Early Selected Poems 1946-1966


The Genius of the Crowd

there is enough treachery, hatred violence absurdity in the average
human being to supply any given army on any given day

and the best at murder are those who preach against it
and the best at hate are those who preach love
and the best at war finally are those who preach peace

those who preach god, need god
those who preach peace do not have peace
those who preach peace do not have love

beware the preachers
beware the knowers
beware those who are always reading books
beware those who either detest poverty
or are proud of it
beware those quick to praise
for they need praise in return
beware those who are quick to censor
they are afraid of what they do not know
beware those who seek constant crowds for
they are nothing alone
beware the average man the average woman
beware their love, their love is average
seeks average

but there is genius in their hatred
there is enough genius in their hatred to kill you
to kill anybody
not wanting solitude
not understanding solitude
they will attempt to destroy anything
that differs from their own
not being able to create art
they will not understand art
they will consider their failure as creators
only as a failure of the world
not being able to love fully
they will believe your love incomplete
and then they will hate you
and their hatred will be perfect

like a shining diamond
like a knife
like a mountain
like a tiger
like hemlock

their finest art


hay no lobos

“Raoul Silva/Anton Chigurh: A vida se agarrou a mim feito uma doença.

“Now another one bites the dust
Yeah, let's be clear, I'll trust no one
You did not break me”

(Elastic Heart – Sia)

 

a taxidermia é uma arte
um processo
por meio do qual procura-se preservar
animal
durante muito tempo
o mais difícil é a expressão
o olhar
que se quer
que tenha o animal
como é difícil aprender animal
crescer animal
e é por isso que considera-se a taxidermia
uma arte

outra história e outra terra é

e seu movimento cabal
não
é ter um mais velho que a conceda

o pistão de abate
serviço ágil e muito mais pneumático
empalar memórias
claquete que dá no meio
ata esperas e últimas falas
que é que vem depois de

mas nem conseguiu terminar de contar o próprio sonho

e como
é que se conta batidas
de coração nos dedos depois
que decepam-se as mãos
e nos

ah
a gente vai caminhando
aí lado a lado

só a praxe
mesmo

pega aí com os seus nos meus metacarpos
só pra ir andando mesmo

no
country
for old man

conhecer animal
como é difícil

degradar os homens sem perturbá-los