O Porto de Naxos

Podíamos ter atravessado a terra
sem nos conhecermos nunca
Erguido uma casa
aberto um filho, um sopro
que levantasse como o milho
e atravessasse a cintura
de um rio para as nossas mãos 

Ter pousado o corpo exausto
como nas cordas respiram as aves
a roupa batida ao sol, a criança
que atravessa o centro do pai fugido 

Podíamos ter aberto sulcos e
sobre a terra tirado do fundo de nós
uma luz que nos seguisse
e diariamente recomeçado a tristeza 

Leituras desta semana

Soneto Oxidado

 

O céu sob o qual nasci há vinte e oito anos
Começa agora a oxidar nos ângulos
E nas horas em que não estou atento
Uma mão surripia uma ave e desloca o vento
Arranca árvores onde os olhos perdem luz
A mulher despida entre os limoeiros já pouco me seduz
E a boca febril vai abatendo o gado
Um fio de baba faz leito no prado
A mão volta puxando as cabeças velhas à janela
Para as decepar e jorrar muita aguarela
Sobre crianças que começavam a perder o gosto
À luz que sobe de um fogo posto
E que queima os touros de papel quebrado
Num céu cabalmente oxidado