Long Lonely road

Da minha janela a vejo.
Toda a sua anatomia em fogo.
Uma criança a comer laranjas
Constelação potente de braços pulsos nervos:
por todo o corpo essa música a fluir:

Infinitos argonautas felizes.

Mãos ouvidos olhos. E uns pulmões pequeninos.
Como foles. A beber o ar. A transformá-lo em sangue.

Uma criança a comer laranjas.

Da minha janela a vejo.
Toda a sua anatomia em fogo.

8 de Fevereiro de 2018.

O animal invencível

O poema ensina o seu coração, o seu batimento, ele é muitas cidades a arderem em desejo; há no centro do poema um sol que irradia para todos os lados, uma afirmação de vida, uma múltipla fonte de luz. As palavras são centros de vibração, elas tocam-se, expandem-se em ondas, elas são estrelas em pleno nascimento, em nascimento continuo, cada olhar sobre elas as faz renascer. O poema é uma constelação que faz acender a linguagem, que a faz viver; A constelação que é o poema faz nascer a palavra a cada segundo, a cada batimento do coração a palavra é nova, ela tem novo sopro, ela é uma nova afirmação de vida, uma nova fonte, uma nova onda expansiva, a cada batimento do coração do poema surge um novo acendimento, (muitas cidades a arderem em desejo), a estação de serviço em mercúrio, o olhar da minha filha. Cada novo olhar sobre o poema, cada nova leitura, cria um novo nascimento, uma aceleração diferente: eu acelero o poema quando o olho, eu o faço nascer. O poema é um animal invencível, ele é a vitória da linguagem. Quando eu afirmo:

 

O poema ensina o seu coração

e o seu coração é um céu azul.

 

Eu digo que esse coração é um núcleo que acende tudo o que o rodeia; o poema não pergunta o que é o fogo, ele afirma, ele cria uma comunidade, ele une, ele não para nunca de unir. As constelações comunicam, acendem-se, dançam, cruzam os seus fogos, a sua dança pode ser perfeita e - por essa mesma possibilidade - ela é já perfeita. O animal invencível é a possibilidade mesma da vida, a afirmação mesma da vida. Se o poema nasce em frente a um promontório com Safo ou se ele nasce no meio da rua com Cesário Verde, o que os une é esse nascimento, o mesmo batimento que implica diferentes vibrações, o mesmo início, que implica diferentes processos. O poema ensina a cair no chão ou ensina a rir dessa queda, o poema ensina a ver o outro mas também a ser sempre outro, doutra forma diríamos: o poema faz nascer, o poema faz brotar, o poema multiplica ângulos e nisso é tão humilde como uma raiz ou um semente que leva a vida no seu interior e que só necessita um pouco de água, um pouco de terra, um pouco de luz, uma comunicação (que é também assonância e conversa) da natureza. Tudo aqui é soma, tudo aqui é mudança, acrescento, comunicação, comunhão; união enfim, é disso que falamos quando falamos de poesia, de um abraço com uma geração intemporal, de um abraço com Orfeu, de um abraço com Diógenes; este é o contacto que a poesia inaugura, um gesto que se pretende infinito, um mergulho, um abraço, nisso a poesia parece-se muito ao ato de nadar, de atravessar, de romper, quando escrevo um poema atravesso o teu peito a nada e isso é a minha comunhão, o momento de erguer a cabeça e continuar a olhar o chão, aquele momento de acendimento que se dá antes das grandes viagens. O poema antecede a viagem. Ele dá-se num mergulho de luz, num momento de celebração, de encontro (com o todo e com o mínimo), com a flor que rompe o asfalto, com um mundo que se afirma quando o afirmamos. Este é o mundo, resta celebrá-lo, bendize-lo, elevá-lo, acendê-lo, esse é o momento poético, o momento de criação de ênfase. 

Nuno Brito, Estação de Serviço em Mercúrio: textos escolhidos 2009-2015

Nuno Brito
Estação de Serviço em Mercúrio
textos escolhidos 2009-2015

poesia

Enfermaria 6, Lisboa,
junho de 2015, 120 pp.
Capa de João Alves Ferreira

10€

Para comprar
Na Fyodor Books
Ou envie-nos a sua encomenda para:
enfermariaseis@gmail.com

Nuno Brito nasceu no Porto em 1981, é autor dos livros: Delírio Húngaro (2009), Creme de la Creme(2011), Duplo-poço (2012) e As Abelhas Produzem Sol (2015). Foi editor da revista literária Cràse. Em 2009 obteve o prémio literário da Associação de Estudantes da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e foi selecionado para a Mostra Nacional Jovens Criadores. Foi professor de literatura portuguesa na Universidade Nacional Autónoma do México, UNAM, país onde residiu entre 2012 e 2014. É actualmente doutorando e professor assistente na University of California Santa Barbara.

[Ver perfil aqui]