SALAI DANÇANDO PELAS RUAS DE FLORENÇA e outros poemas

 SALAI DANÇANDO PELAS RUAS DE FLORENÇA

“Vira a tua atenção para os vários objetos , olha

agora para isto e agora para aquilo e reúne uma

coleção de factos diversos selecionados e escolhidos

entre aqueles de menor valor” – Leonardo da Vinci

 

“Hey now, don’t Forget that change will save you”

- R.E.M (Überlin)

a Leonardo da Vinci (500 anos)

 

Da linha do tempo do seu tronco principal

saem outras mais finas e pequenas

raízes que correm em todas as direções.

Da enorme e elaborada árvore uma entre várias

uma pequena e fina linha quase imperceptível

cai como um pingo de chuva pelo perfil de Salai.

No mar tempestuoso do seu cabelo Leonardo

Separou o silêncio do seu traço e o ardente

Desejo que lhe corroía lentamente a Mente.

Calado sob os sinos da Catedral usava o

Lápis como chicote para o coração e o corpo.

 

“Compra-me Carvão Ocre Camim Terebentina

e antes que me roubes usa em teu proveito

as moedas que daqui sobrarem. Mas antes

troca-me esta T-shirt suja por aquela amarela.”

 

Em todas as vielas de Florença ou em todas as

Cidades feitas para os desejos e sonhos impossíveis

Há um jovem que livremente dança para Terpsícore.

Sentado à secretária o velho anota para o espelho

“Hoje em amor libertei mais um pássaro!”

de “O Nardo” (2019) (Brevemente)

COROA

 

Os dragões da Somália trazem uma coroa

de três bicos sobre a cabeça:

              o corpo dissolvido de Basquiat

              a minha febre amarela

              o teu presente esgar

 

Na levitação o brilho refaz

a aura e dá ao negro Rei

novo Corpo

A PINTURA SEM TINTA

       SEGUIDO DE

UM POEMA SEM SOM

 

 A linha digital imprime o ilusório

rompimento - o raio imortal do inefável

cai sobre a faca de dois gumes que

a trespassa e reativa a presença da luz

- a teimosia da cor persiste.

 

O poema aqui existe e existe

outro poema entre este poema

e a tua ideia construída de poema.

É no vão que aqui se abriu que uma falena

bate as asas sem que a possas ouvir.

d52058950bdd6b5adfcd886bde8b4085.jpg

Anne Sexton, "O peito"

Tradução: João Coles

O peito

É esta a chave.
É esta a chave para tudo.
Preciosamente.

Sou pior do que o encarregado das crianças
na apanha do pó e do pão.
E cá estou eu a angariar perfume.

Deixa que me deite no teu tapete,
no teu colchão de palha – o que estiver à mão –
porque a criança dentro de mim está a morrer, a morrer.

Não que eu seja gado para ser comido.
Não que eu seja uma espécie qualquer de rua.
Mas as tuas mãos encontram-me qual arquitecto.

Uma jarra cheia de leite! Era tua anos atrás
quando vivia no vale dos meus ossos,
ossos torpes no pântano. Pequenos brinquedos.

Talvez um xilofone com pele
em cima esticada desajeitadamente.
Apenas mais tarde se tornou em algo real.

Mais tarde medi-me com as estrelas de cinema.
Não tinha medidas. Havia alguma coisa
entre os meus ombros. Mas nunca o suficiente.

Sim, havia um campo,
mas nenhum jovem cantando a verdade.
Nada que cantasse a verdade.

Desconhecendo os homens quedo-me ao lado de minhas irmãs
e ao erguer-me das cinzas bradei
o meu sexo será trespassado!

Agora sou tua mãe, tua filha,
o teu brinquedo novinho em folha – um caracol, um ninho
Estou viva quando os teus dedos estão.

Visto seda – um véu para desvelar –
pois é em seda que quero que penses.
Mas não gosto do tecido. É demasiado austero.

Diz o que quiseres mas trepa-me como um alpinista
pois eis o olho, eis a jóia,
eis a excitação que o mamilo aprende.

Sou desequilibrada – mas não estou louca de neve.
Estou louca da mesma maneira que as jovens são loucas
com uma oferenda, uma oferenda...

Ardo como o dinheiro arde.


The breast

This is the key to it.
This is the key to everything.
Preciously.

I am worse than the gamekeeper's children
picking for dust and bread.
Here I am drumming up perfume.

Let me go down on your carpet,
your straw mattress - whatever's at hand
because the child in me is dying, dying.

It is not that I am cattle to be eaten.
It is not that I am some sort of street.
But your hands found me like an architect.

Jugful of milk! It was yours years ago
when I lived in the valley of my bones,
bones dumb in the swamp. Little playthings.

A xylophone maybe with skin
stretched over it awkwardly.
Only later did it become something real.

Later I measured my size against movie stars.
I didn't measure up. Something between
my shoulders was there. But never enough.

Sure, there was a meadow,
but no young men singing the truth.
Nothing to tell truth by.

Ignorant of men I lay next to my sisters
and rising out of the ashes I cried
my sex will be transfixed!

Now I am your mother, your daughter,
your brand new thing - a snail, a nest.
I am alive when your fingers are.

I wear silk - the cover to uncover -
because silk is what I want you to think of.
But I dislike the cloth. It is too stern.

So tell me anything but track me like a climber
for here is the eye, here is the jewel,
here is the excitement the nipple learns.

I am unbalanced - but I am not mad with snow.
I am mad the way young girls are mad,
with an offering, an offering…

I burn the way money burns.

"O quarto rosa" de Francisca Camelo: apresentação hoje!

70831706_531719114230365_7502395584993558528_n.jpg

marilyn

gostava de ter sonhado
mas foi real
desta vez foi um veado
cabeça lustrosa
pêlo brilhante
olhos aguçados
focinho pequeno e delicado:
uma marilyn monroe
dos animais da floresta.
o veado parava
encrustrado à parede
numa loja kitsch.
segunda mão,
a etiqueta dizia,
se/gun/da/mão
digerir o significado dessas palavras
e o preço possível a pagar por isso:
olhava-me quieto
vítreo mas tão vivo
o almoço a subir-me
acidez acima
olha só que atroz
assombração
todos nós podemos
ser embalsamados um dia:
imaginei os meus olhos vítreos ali
alguém a tocar-me na íris
com a unha do indicador direito
vê se faz barulho
vê se são de vidro
tocarem-me no cabelo
pode ser falso
apesar de todo o brilho
as pestanas longas de marilyn diziam-me
tu também podes
estar um dia aqui
embalsamada a um preço caro
numa loja kitsch em segunda mão 

(talvez seja isso a
reencarnação).

sehr glück

ontem fui à barraca
da vidente
handlesen
o cartaz rodeado por aquelas
luzes baratas com que as pessoas
rodeiam o quarto, tu sabes,
before sunrise, we’re all
stardust
, capital europeia,
tudo isso a enquadrar o cenário:
agarrou-me as mãos
e desdentada, sorriu: vais ser
uma kaiser três filhos vida longa
(casar nem por isso)
sehr glück, ela disse,
mas a tua sorte é estranha

referia-se provavelmente
àquelas últimas manhãs
um quarto sem persianas
quando volto da casa de banho
e encontro um homem já vestido que me esclarece
só há um kaiser e é um jogador de futebol alemão

sentado no sofá,
(pernas abertas
mão sobre a virilha
ainda quente)
notifica-me prontamente:
precisa de alguém
para os domingos da minha
ausência. acrescenta, quando vê a fruta
no centro de mesa, i love strawberries,
e semeia sem saber
calos na minha garganta
por favor, alguém que compre
morangos a este homem
quando não estou
 

as marcas da almofada ainda na cara
(desejar esse desleixo, o hálito pesado,)
aprender novas formas de
condicionar a incerteza
sentar-me no sofá
para abandonar de seguida:

  1. o lugar fresco do fantasma

  2. a madrugada para sempre poluída

  3. o conceito de sorte

mas os morangos:
intactos.

69439904_2601436759917287_4955363984283795456_o.jpg

Vestido Azul

“There´s things I wanna talk about, but I´ll just let you live”

Lana del Rey


Não há nada mais triste que acordar com o sabor
Da tua silhueta recortada pelo Sol através daquele vestido azul,
Nunca saberei se também tu, voltaste a sonhar comigo,
As tuas mãos nas minhas, antes de qualquer poesia,
Acordar depois de termos brincado no chão da sala da casa
Onde nunca entraste e já pouco me encontro nas fotografias,
Eu debaixo de ti a assegurar-te que só amigos
E da tua boca as palavras da minha vontade,
E se te fizesse um broche, cai uma carta pesada no chão
E acordo, um catálogo qualquer, maldito carteiro,
Aquele bater no chão como quando li a tua última carta,
Só amigos, e acordo, cai-me algo que nem sabia que tinha,
Nem vi sequer o que era, as mãos nunca me pareceram
Tão vazias, sabendo que nunca mais os teus dedos longos
Entre os meus, quanto dedo no cu, nenhum teu,
Acordar sempre, até ao adormecimento último,
Com a poesia no lugar de um amor no qual só os sonhos acreditam.

Turku

10.09.2019

No cais do Potomac, WV

Andar e molhar os pés na Virgínia Ocidental
e uma hora antes
andar e molhar os pés em Washington
a água estende-se
atravessa a cidade falsa de mármore branco
atravessa o cais mais próximo de Arlington
atravessa o limiar das ruas de Georgetown
atravessa o bar de whiskey com cem espelhos
atravessa a livraria repleta de mapas do século XIX
atravessa-me a mim
atravessa o meu corpo
colado à montra da padaria dos pescadores
que observa
os rolos de canela feitos na hora
queijo filadélfia branco e açúcar de cana
Os americanos chamam a isso topping
e só o Potomac fica indiferente
ao whiskey fumado de centeio
ao cheiro dos fritos das roulottes de corn dog
e ao topping do meu último pequeno almoço

No Harpers Ferry o cais do rio Shenandoah enternece
sobrevive sem os cadeados de amor
sem a proeza das trotinetes alugadas por uns minutos
através de uma app qualquer
o cais atrai milhares de insectos nocturnos
os insectos nocturnos conhecem bem o Shenandoah
os mesmos insectos dedicam a vida toda ao Potomac
às pedras lisas
aos poços de água parada
aos buracos entre os parafusos gastos da Key Bridge

A vida curta desse insectos
é um acto de amor rastejante
um topping entomológico
em cima do rio Potomac
até a baía de Chesapeake